Obras no Porto Rico estão quase concluídas

As obras de infraestrutura no Condomínio Porto Rico, em Santa Maria, estão com drenagem 80% executada. Esse avanço deu condições para acelerar a pavimentação asfáltica, iniciada em outubro, e para manter a previsão de entrega em abril de 2018. Cerca de 20 mil moradores serão beneficiados.
O governo de Brasília vai construir 15 quilômetros (km) de rede de drenagem no local.

A pavimentação está 37% executada e inclui 19,5 km de asfalto, 45 mil metros quadrados (m²) de calçadas e 38 mil m² de meios-fios.

O investimento na região é de R$ 29,1 milhões. Os recursos vêm de financiamento da Caixa Econômica Federal (95%), com contrapartida do governo de Brasília (5%).

Segundo o secretário de Infraestrutura e Serviços Públicos, Antônio Coimbra, o momento é de aumentar o ritmo da pavimentação. “Fizemos uma faixa na rua principal, concluímos várias vias paralelas e próximo à escola, onde teve início a colocação de pavimentos”, diz.

O Condomínio Porto Rico ocupa uma área de aproximadamente 81 hectares (equivalente a 75 campos de futebol). A área foi dividida em lotes (1, 2, 3, 4, 5 e 6) para a execução das obras, iniciadas em julho de 2016.

Como estão

Nos Lotes 1, 2, 4 e 5, os porcentuais executados de drenagem, até o momento, são 98%, 99%, 70% e 92%, respectivamente. A pavimentação não começou no Lote 4, mas no 1 está a 70%, no 2, a 65% e no 5, a 20%.
No Lote 6, onde está prevista uma lagoa de contenção, 75% da drenagem foi executada. A estimativa é que os trabalhos sejam concluídos até o início de março de 2018. A pavimentação ainda não começou.

A situação mais complicada é a do Lote 3. De acordo com a Secretaria de Infraestrutura, a Companhia de Desenvolvimento Habitacional do DF (Codhab) e a Agência de Desenvolvimento do DF (Terracap) tentam resolver questões fundiárias no terreno para dar início às obras de infraestrutura.

Imprevistos
As obras no Porto Rico passaram por alguns entraves, ainda segundo o secretário Antônio Coimbra. Como muitas casas tinham fossa na rua, a Companhia de Saneamento Ambiental do DF (Caesb) construiu uma estação elevatória de esgoto e deu 30 dias para todos ligarem suas casas à rede, mas esse processo levou 90 dias. Postes da Companhia Energética de Brasília (CEB) colocados à beira da calçada foram realocados.

Ainda na época de terraplenagem, a rede de água estava muito superficial, e foi necessário rebaixá-la. Na drenagem, foram encontradas pedras. Todos esses imprevistos frearam o ritmo das obras, mas estão solucionados. – As informações são de GUILHERME PERA, DA AGÊNCIA BRASÍLIA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas